quarta-feira, 26 de setembro de 2012

Como proteger seu cachorro dos rojões?

Quem tem cachorro em casa, sabe muito bem que em dia de jogo ou qualquer comemoração que leva as pessoas a soltarem fogos de artifício ou algo barulhento pro céu – o cãozinho entra em pânico. Pensando em você e principalmente em seu bichinho, resolvemos escrever como proteger seu cachorro dos rojões.

Como proteger seu cachorro dos rojões?

A audição de um cão é muito mais apurada que dos humanos, por isso sofrem tanto ao ouvir barulhos fortes.
Abaixo destacaremos dicas para que possa proteger seu animal do que considera insuportável.

- Cuidado, ele pode fugir

Em dias de comemoração, procure deixar janelas e portas fechadas.
Pois são em momentos como esses que seu cão pode sair portão afora em busca de refugio.

- Reserve um local tranquilo da casa para ele

Tudo que quer nesse momento é segurança.

Então, caso saiba que algum jogo será  televisionado ou algo parecido, prepare o local e fique com seu cão, vocês podem brincar e conversar, assim, com seu carinho, ele sentirá mais protegido e tranquilo.

- Cuidado com a comida
Sendo uma data como o Natal ou réveillon, quando as pessoas estão festejando, procure deixar seu cachorro em um local seguro, de preferência longe dos convidados, até para evitar comer algo que somando ao susto devido aos fogos, o faça passar mal.


Sua ração habitual e água estão de bom tamanho, para o momento.

- Nada de coleira

Deixe-o solto em um ambiente, podendo ser um espaço reservado no quintal, ou um cômodo da casa. Mas jamais utilize coleira, isso pode levá-lo a se enforcar devido o desespero com o barulho dos fogos, ou com acontecimentos o qual não está acostumado.

http://www.comofazeronline.com

O que está dentro da ração que seu cão come?

 


Há uma enorme expansão do varejo de produtos pets na América do Norte.

Enquanto o consumo é baixo em muitas áreas, as empresas experientes aprenderam que há muito pouco que um dono amoroso nega ao seu animal de estimação.

O resultado é uma explosão virtual de produtos, brinquedos e alimentos para animais.

De fato, um dos itens mais rentáveis na prateleira da mercearia, do seu bairro, não é bife - é comida de cachorro.

Hoje, proprietários mais atentos estão mais exigente sobre o que eles alimentam seus animais de estimação, e os fabricantes foram rápidos a reagir com uma grande variedade de alimentos voltadas para este mercado.

Palavras como "equilibrada", "completo" e "natural" nos rótulos, há alguns anos eram apenas "saboroso "- ou o velho jargão "Cães Amam Isso".

Mas, quanto nós realmente sabemos sobre o que estamos alimentando nossos cães?

A linguagem utilizada nos rótulos é menos clara - e os motivos para isso pode ser mais sinistro do que você pensa.

A maioria das empresas de alimentos de cães são grandes divisões do conglomerado gigante de alimentos - os conglomerados que produzem toneladas de subprodutos provenientes da fabricação de alimentos para seres humanos a cada dia.

Usando esse material que seria lixo pode ser bom negócio, mas é bom para o seu animal de estimação?

Nos poucos últimos anos, artigos têm aparecido em silêncio ilustrando um aspecto perturbador destas medidas de redução de custos.

Eles pintam um retrato de uma indústria bilionária que está disposta a ir a quase todos os lugares para aumentar seus lucros.

O fim terrível

É o pior momento da vida de um proprietário de um animal de companhia - o dia da viagem final de seu companheiro estimado.

Você faz a difícil decisão de deixar que o seu veterinário tome as devidas providências, confiante de que ele vai tratar a maneira de uma forma sensível.


Na realidade, muitas clínicas veterinárias, agora, utilizam um serviço para recolhimento dos corpos dos animais eutanasiados, e que pode acontecer com estes animais de estimação a partir do momento que eles são apanhados é nada menos do que chocante.

"Cães e gatos eutanasiados em clínicas e abrigos são vendidos para fábricas de processamento, transformados em outros materiais e vendidos à indústria de ração animal.

Uma pequena fábrica de processamento, em Quebec, rende 10 toneladas, a partir de cães e gatos da cidade de Ontário (Canadá), por semana.

O Ministério da Agricultura, em Quebec, onde um número destas fábricas estão localizadas, aconselhou que "O pêlo dos cães e gatos não seja retirado" e que "os animais mortos sejam cozidos juntamente com as vísceras, ossos e gordura em 115 graus C (236 F) por vinte minutos".

Uma empresa de alimentos pet, dos Estados Unidos, com pesquisas extensas nessa área, que usa cães e gatos eutanasiados em seus alimentos durante anos alegou "não ter conhecimento sobre este fato", quando a notícia veio à tona, segundo Ann Martin, da Revista "Natural Pet".

Por mais difícil que possa ser para acreditar, milhões destes cães e gatos americanos mortos são processados a cada ano para as fábricas na América do Norte.

Eileen Layne, da California Veterinary Medical Association afirma: "Quando você ler os rótulos dos alimentos para animais de estimação e ele diz que há farinhas de carne e farinha de osso, iso é exatamente o que é - animais cozidos e processados, incluindo cães e gatos."

Alimentos estragados, rejeitos do matadouro, animais que morrem a caminho de frigoríficos - todos esses são os ingredientes aceitáveis para as fábricas de ração, ou seja, a regra dos "4" - doentes, deficientes, mortos e moribundos.

Esteróides, hormônios de crescimento e produtos químicos utilizados no tratamento de infestações de bovinos - incluindo contaminados com inseticidas - mais uma vez acabam misturados ao produto final.

A carne de mercearias, expiradas sua data de vencimento, também é adicionada à mistura, assim como as bandejas de isopor e plástico onde foram embaladas.

Cocktail químico

A adição de animais abatidos excede, moralmente, o repugnante - além de apresentar uma série de produtos químicos não listados nos rótulos dos alimentos para animais.


Nas fábricas de processamento não há tempo nem para remover os sacos de plástico onde os animais vieram embalados, os colares repelentes de carrapatos e pulga, nem se fala!

Mesmo os produtos farmacêuticos, muito usados para eutanasiar estes animais de estimação também encontram-se no produto final.

"Amostras de pentobarbital sódico", a Universidade de Minnesota em trabalhos de pesquisa, afirmou que "o pentobarbital sódico, o barbitúrico que é mais comumente utilizado para eutanasiar pequenos animais foi encontrado em amostras de carnes processadas sem sofrer degradação."


Quando ingerido, o pentobarbital sódico tem demonstrado causar danos no fígado, nos rins e provocar insuficiência renal.

As empresas de alimentos para animais alegam que esses produtos químicos são encontrados em doses tão baixas chegando a ser inofensivo, mas não fazem qualquer menção sobre os efeitos cumulativos da ingesta de anos consecutivos.

Antes da carne chegar às instalações de processamento, já foi saturada com produtos químicos.

Para cumprir com as regulamentações do governo, todas as carnes rejeitadas por matadouros devem ser "desnaturadas" - um processo destinado a torná-la intragável para os seres humanos, garantindo assim que não podem ser utilizadas no comércio para ingesta de humanos.

No Canadá, o produto químico usado para alterar o paladar é o Birkolene b.

Na revista "Natural Pet", Ann Martin, escreve "De acordo com o Ministério da Agricultura, de Saúde Animal e Vegetal, a composição deste produto químico não pode ser divulgado".

Nos EUA, há uma variedade de outros métodos que podem ser usados:

"No meu tempo como inspetor de carnes, essa era desnaturada com ácido carbólico (fenol, um desinfetante potencialmente corrosivo) e/ou creosoto (usado para preservar a madeira ou como um desinfetante).

Fenol é derivado da destilação do alcatrão, creosoto é da destilação de madeira.
Ambas substâncias são muito tóxicas.
Creosote foi usado por muitos anos como um preservativo para postes de madeira.
Seus efeitos sobre o meio ambiente mostraram-se tão negativos que não são mais usado para esse fim.
De acordo com o serviço federal de inspecção sanitária, óleo combustível, querosene, ácido carbólico bruta e citronela (um repelente de insetos feitos de capim-limão) são os materiais de desnaturação aprovados."
Dr Wendell Belfield, DVM, o ex-USDA Vet, "Let's Live" Magazine

O coquetel químico não termina aí, também.


Para evitar ranço, um estabilizador de gordura é adicionado ao produto acabado.
Dr. Belfield escreve: "Os produtos químicos comuns utilizados são BHA (butil hidroxianisol) e BHT (butil-hydroxytolulene), ambos conhecidos por causar disfunção hepática e renal.
Alguns países europeus proíbem a utilização e importação desses preservativos.
Outro estabilizador de gordura é usada frequentemente Etoxiquina , suspeito de ser um agente causadores de câncer.

 A maioria dos veterinários concorda que as alergias alimentares e condições tóxicas estão em ascensão nos animais de estimação da atualidade.
Quando questionados, a culpa muitas, dessas causas possíveis, recai sobre "poluição ambiental" e "o estresse de viver nas cidades".

É um fato lamentável que muitas escolas norte-americanas de veterinária e nutrição animal não se atentem a isso.
Em uma palestra para a Nova Zelândia Faculdade de Medicina Veterinária, Tom Lonsdale, DVM, disse:
"O problema está indefinido e não é reconhecido pelos veterinários.

Veterinários são legitimados como guardiões do bem público no que diz respeito à saúde animal.
A profissão está mal em suas funções."
Não é de se admirar que muitos veterinários, tão dolorosamente permanecem inconsciente das toxinas que nossos animais ingerem todos os dias, e não de seu ambiente, mas da comida que é comprada das lojas.

Parte II  

A linguagem dos rótulos 



Aprender a decifrar rótulos é um bom começo para aqueles que querem descobrir o que estamos oferencendo aos nossos pets.
Qualquer alimento para pets que contenha "Farinha de carne", "Farinha de Ossos" ou "subprodutos de carne" podem ter sido obtidos de fontes suspeitas.

O termo genérico "Carne" permite que as empresas de alimentos para pets possam usar qualquer fonte animal como ingrediente, ao contrário de termos mais específicos, que indicam claramente a origem dos animais - ou seja, "frango", "produto de carne bovina".

Mesmo os alimentos que indicam a fonte de carne, podem cair na "regra dos 4" - isto é, carnes provenientes de animais doentes, deficientes, mortos ou moribundos, impróprios para o consumos humano.
As razões para a rejeição são muitas, podem incluir a infestação de pragas, doenças, tumores, mofo, infecção e uma série de outras condições altamente desagradáveis.

Em estado selvagem, a maioria dos cães naturalmente evita comer carne contaminada, o que talvez explique a variedade estonteante de sabores e aromas aditivos comerciais a maioria que estes alimentos contém.

Os rótulos que, supostamente, nos permitem entender o que contém o alimento que oferecemos aos nossos cães estão abertos a uma licença artística surpreendente, graças à AAFCO.

Um consumidor que compra "Johnny's Cordeiro e Arroz alimento para cães" pode muito bem assumir que "Cordeiro e Arroz" são os principais ingredientes deste alimento - afinal, ele parece dizer isso claramente que no rótulo.

Na realidade, a adição de "com", na marca, obriga o fabricante a incluir apenas 3% do total de ingredientes no alimento.
Se este alimento foi rotulado como "Johnny's Cordeiro e Arroz alimento para cães", AAFCO deveria exigir que cordeiro e arroz fossem maioria dos ingredientes totais (excluída a água utilizada para transformação) - uma diferença muito grande para essa pequena palavra.

A tendência para a o uso generalizado de "Cordeiro e Arroz" em muitos alimentos deve-se à preocupação dos veterinários dermatologistas.
"Não era para ser comido por todos os cães", afirma Dr. Maxwell, DVM.

"Era para ser introduzido como uma alternativa de proteína, mas se os cães estão comendo todos os dias agora é inútil para nós, para utilização como alimento alternativo.
Donos de pets alérgicos terão que ir às proteínas exóticas combinadas com carboidratos, como avestruzes ou de pato e batata.

É caro e desnecessário.
Deixar o cordeiro e arroz para os casos de pets alérgicos".
Criadores mais antigos comentam que o número de casos de alergias alimentares que vêem hoje são enormes - condição praticamente inexistente na época em que os cães comiam alimentação humana.
 
Busca de alternativas

 Então, o que o proprietário do animal de estimação deve fazer?
O livro "Dr Pitcairn's Guide to Natural Pet Care" oferece uma variedade de receitas caseiras para animais de estimação manterem-se saudáveis.

Alinha ingredientes frescos, carnes cruas e suplementação equilibrada.
Dr. Pitcairn aborda as necessidades nutricionais desde cães a gatos, pets prenhez e dieta vegetariana.

Ainda mais convenientemente, tanto 
 Essex Cottage Farms quanto Sojourner's Farms oferecem nutrição natural que incluem grãos, vitaminas e minerais de origem natural - tudo o necessário para criar equilibrado na dieta caseira.
A mistura só precisa de ser combinada com a carne fresca, um ou dois legumes, um pouco de óleo, ovo e um pouco de água quente para se tornar plenamente nutritiva e todos os alimentos naturais. Você tem a opção de oferecer cru ou cozido, como preferir.

Com os recentes surtos de contaminação por E. Coli relatados na mídia, bem como artigos descrevendo crescente preocupação com excesso de produtos químicos e alimentos geneticamentos modificados, um segmento crescente da população está se voltando para as fontes de alimentos orgânicos, tanto para si mesmos, quanto para seus animais de estimação.


A alimentação caseira permite alimentar seu cão desta maneira.
Você pode optar por incluir apenas alimentos orgânicos, livres de pesticidas e carnes free-range (animais criados/engordados no pasto).

Essas escolhas tem repercussões fascinantes para criadores de cães, em particular.
Estudos feitos pela na Alemanha analisaram os benefícios dos alimentos orgânicos em relação aos outros cultivos.

Os animais alimentados com alimentos orgânicos tinham maior fertilidade, nascimentos com menor taxa de mortalidade e ninhadas maiores que aqueles alimentados com alimentos não-orgânicos.

Para aqueles que não têm tempo para cozinhar em casa ou simplesmente preferem uma comida preparada comercialmente, a resposta pode estar no crescente número de "empresas holística" de alimentos para animais que estão surgindo.


Muitos destes fabricantes são inflexíveis sobre o seu compromisso de utilizar somente "alimentos para consumo humano" - ou seja, fontes de alimentos que tenham sido certificados como seguros o suficiente para serem consumidos pelos humanos.

A empresa de alimentos "Innova" foi fundada pelo Dr. Belfield, DVM, após anos de experiência como veterinário do USDA, foram anos de bons motivos para se preocupar com o que os animais comiam.

Outras empresas "holística" que comprometem-se de maneira similar incluem Solid Gold, Wysong, Wellness.
Enquanto, talvez, esse alimentos para pets possuem um preço maior que os outros do supermercado, os baratos oferecem fontes nutricionais inúteis.

Como proprietários do animal de estimação, cabe a nós saber exatamente o que é que estamos alimentando nossos animais de estimação, e decidir o que pode e não se pode aceitar como ingredientes.


Faça perguntas - a maioria dos fabricantes mantém o telefone do Serviço de Atendimento ao Cliente no saco de ração, ligue!

Pergunte a eles o que eles colocam nos alimentos - e, se você não gostar da resposta, diga-lhes isso. Insista em rações feitas com ingredientes de qualidade, vendidas em pacotes que estão claramente identificados, e diga-lhes que só compram de empresas dispostas a oferecer isso.

Muitos criadores são procurados para fazer propaganda de ração, porque encaminham filhotes e já fazem propaganda do produto.

Portanto, se você é criador, não deixe de informar este fato à empresa!

Juntos, nós que possuímos animais de estimação, formamos um músculo mais forte e poderemos ser capazes de garantir que nenhum outro nosso amado pet, terá seu fim dentro de um saco de ração.

Fonte: Traduzido de
Bullmarket Frogs


 http://www.blog.villechamonix.com

Cão que puxa a coleira - Compartilhando minha experiência

Nada, nada, nada - para mim - é mais frustante e cansativo do que sair na rua com um frenchie ansioso, que traciona desesperadamente a coleira.


Ser levado para passear pelo cão deveria ser incluído na lista dos pecados capitais.

 

 
Você leva seu cão para passear ou é ele que te leva?
Fonte: Animal Feliz

Por esta razão, Tigre já foi preterido, algumas vezes, nos passeios onde eu segurava sua guia, porque guiá-lo, nem sempre era fácil.
Havia dias em que ele se comportava bem, outros estava ligado em 220 volts e sai de baixo!
Coitado dele, a falta era minha.

Antes que alguém pergunte: tentei várias técnicas, inclusive a do reforço positivo com o
clicker (que adoro, uso e indico!).
Acredito que muitos métodos de treinamento são bons, mas há indicações, mais ou menos adequadas, para cada caso e pessoas que se adequam, mais ou menos, a cada técnica.

Mas, por este milagre, tenho que agradecer a
Cesar Millan, porque depois de quase 6 anos, a sua metodologia foi efetiva e praticamente imediata para resolver a questão do Tigre puxar a coleira.
E, mais importante, a técnica dele mantém o comportamento estável do cão, há tempos a utilizamos e não houve nenhuma oscilação no comportamento do meu frenchie.

Muitas pessoas me escrevem relatando este problema, desculpem-me por ter demorado a escrever sobre a minha experiência.

Princípios da técnica:

1) Mantenha seu cão emocionalmente tranquilo enquando você inicia o ritual do passeio (calçar sapatos, pegar coleira, etc. - você sabe que seu cão magicamente detecta detecta este momento, pela sua linguagem corporal)
Muitos cães já começam a desestabilizar/ficam ansiosos (pulam, correm, etc.) neste momento, não é mesmo?
NÃO PERMITA!
Corrija este comportamento.


2) Só coloque a coleira em seu cão se ele estiver emocionalmente estável

O cão não pode estar pulando, não pode estar ansioso.
Deve estar tranquilo!
Com o Tigre isso não foi muito grande problema, mas com outro cão meu, bastava ele ver a coleira, em minhas mãos, para ligar o turbo - parecia um cabrito.
Para este cão, decidi mostrar-lhe a coleira várias vezes por dia, para que ele fizesse a desassociação entre coleira-passeio. Funcionou.
Além disso, para que eu colocasse a coleira nele, ele deveria estar, quieto, na
posição de stay.
Eu poderia ter escolhido a posição "sentado", isso é indiferente.
O que isso significa?
Que eu estava mostrando para o meu cão que, desde antes do passeio, quem estava no controle era eu. (Cesar Millan)

Não foi difícil chegar à conclusão que sempre que passeava com meus cães (atividade prazerosa, prêmio) depois que eles se comportavam mal (mantendo inquietude, ansiedade, pulando), eu reforçava o mal comportamento deles.


3) Só saia de casa se seu cão estiver calmo

Você só vai sair de casa, depois que a porta estiver aberta e seu cão se mantiver impassível, sentado, esperando você o convidar para sair.
Se ele não conhecer o comando "senta", faça com que ele se sente, empurrando o seu bumbum em direção ao chão.
Enquanto ele não se acalmar, não saia.
Seja mais determinado(a) que seu cão!

NOTA:
É fácil?
Não.
No primeiro dia, devo ter gasto quase 1 (uma) hora até chegar ao passo 3, mas valeu a pena!

4) Mantenha a coleira no alto do pescoço e o ritmo constante durante a caminhada

A coleira deve estar o mais próximo possível das orelhas (como nos cães de exposição), isso aumenta o nosso controle sobre o cão.
Todas as vezes que o cão se distrair, firme a coleira.
Os primeiros poucos minutos podem ser um pouco tensos, o cão pode tentar resistir ou se distrair - mas é por pouquíssimo tempo!
Uma vez que você imprime um ritmo na caminhada, o cão vai te acompanhar e estará atento a você e aos seu ritmo de caminhada.
Quem passeia com cães machos sabe que eles param a cada 2 metros para fazer xixi.
Por incrível que pareça, desta maneira, eles não param a não ser que você decida parar.

5) Esteja certo(a) e seguro(a) do que vai fazer

Cães são ótimos leitores de linguagem corporal.
Se você estiver com pena de impor limites e regras ao seu cão, tenha certeza que ele captará isso e será mais difícil obter êxito em sua empreitada canina!
Seja firme e tranquilo!

Assisti vários programas sobre este assunto, para reunir essas informações e entender o processo. Você pode começar assistindo este:
 
O encantador de cães Dalmata puxa no passeio
http://www.youtube.com/watch?feature=player_embedded&v=cgj0itgYY-E
 
 
http://www.blog.villechamonix.com/

Como conduzir o cão sem ser levado por ele

 
Revista Cães & Cia, n. 304, setembro de 2004
 
O cão que puxa a guia torna o passeio menos agradável e fica mais desobediente e agressivo. Alexandre Rossi ensina como agir para assumir o comando efetivo durante as caminhadas
 

 
 
Não importa qual seja o motivo de o cão puxar a guia, esse comportamento não deve ser permitido. Quem precisa estar no comando é o condutor.
Ao cão cabe andar ao lado da pessoa, mantendo a guia sempre frouxa.

Tranco


Quando o cão puxar a guia, bastará dar um pequeno tranco para ele se aproximar, afrouxando-a. Mesmo porque, se ele continuar puxando, em vez de se submeter, se sentirá enforcado.
Nos treinos, leve petiscos e recompense esporadicamente o cão em momentos nos quais ele estiver acompanhando você corretamente, ou seja, com a guia bem frouxa.
De vez em quando, nesses momentos, você pode interromper a caminhada e proporcionar uma interação agradável, falando o nome dele com alegria e acariciando-o.
Não estique desnecessariamente a guia quando vocês estiverem parados, nem enquanto caminharem. Enforcar o cão sem motivo pode causar uma associação indesejada de passeio com sensação incômoda.

Liderança e ansiedade


É normal o cão dominante procurar impor um ritmo e uma direção às caminhadas.
Mas, se isso for permitido, ele se sentirá confirmado na posição de líder e deixará de obedecer.
E, se for forçado a fazer algo, poderá reagir com agressividade.
Outra motivação para o cão tentar tracionar o condutor é a ansiedade para chegar logo à rua.
Ou, estando lá, querer aproximar-se de uma árvore ou de um poste para cheirar, por exemplo.
Se o condutor acelerar o passo ou redirecionar o trajeto quando a guia é puxada, o cão aprende que vale a pena a tração - exatamente o oposto do que queremos!
O estado de agitação que toma conta de alguns cães quando saem para passear (se estivessem soltos, correriam de um lado para outro ou andariam bem depressa) é mais uma causa de puxões na guia. Nesse caso, como o cão ansioso fica menos sensível a trancos, será preciso ser mais rígido, de início, para mantê-lo sob controle.
Treino


Desde o momento em que colocamos a guia no cão, devemos conter a ansiedade dele, sem jamais permitir puxões.
Inicialmente, treina-se o cão a mudar de direção junto com o condutor.
Uma boa técnica é fazer percursos em ziguezague.
A percepção do cão da importância de prestar atenção nos movimentos do condutor, para acompanhá-lo, aumenta à medida que ele percebe que ao puxar a guia, leva um tranco.
Para favorecer a concentração nos treinos, escolha um lugar não tão excitante, como uma garagem de prédio.
Quando o cão conseguir acompanhar você sem precisar de trancos, premie-o com petisco.
Com poucos treinos ele estará apto a andar direitinho ao seu lado.
Só aí o leve para a rua ou para outro local mais estimulante.

Se for briguento


O cão deixa de perceber trancos de guia quando late excitado.
Quem tem cão briguento deve interromper desde o início as manifestações de agressividade com uma punição que não o machuque. Um recurso é espirrar um jato de substância amarga não tóxica na boca dele (como os importados bitter aple ou bitter lime ).
Outro método é assustar o cão sacudindo uma lata cheia de moedas ou estalando uma biribinha.
Nos casos mais difíceis, pode-se lançar um jato de gás carbônico (CO 2) usando um extintor de incêndio.
Encontrada a punição ideal, o comportamento indesejado deixará de ser repetido depois de algumas ocorrências.

Resumo


. Ande em ziguezague, fazendo com que o cão tome um tranco na coleira se não segui-lo.
. Seja mais rígido no início do passeio, pois o cão estará mais ansioso e, portanto, menos sensível aos trancos.
. Procure controlar o cão fazendo exercícios em lugar não tão excitante para ele.

Só quando ele se comportar muito bem, comece a ir para outro local.
. Recompense-o com brincadeiras e petiscos sempre que ele estiver andando com a guia completamente frouxa.
. Ao fazer paradas durante a caminhada, mantenha a guia frouxa.

Se o cão puxar, dê um tranquinho.

http://www.caocidadao.com.br/artigos_caes.php?id=96

Lidando com o estresse do cão

 

 
Revista Cães & Cia, n. 303, agosto de 2004
Alexandre Rossi orienta sobre a importância de identificar quando o cão está com estresse e de poupá-lo da tensão contínua


 


Não é só o ser humano que pode ficar estressado e se prejudicar com isso.
Os cães também se estressam.
Muitas vezes, acontecimentos na casa ou na vida do cão, aos quais as pessoas não costumam dar importância, podem ser considerados por ele como ameaças ou desafios e afetá-lo gravemente.
Ficar sozinho é um desses casos, já que a espécie é social e precisa estar em companhia para se proteger e caçar.
O estresse pode vir também de fatos como estar na presença de visitas, tomar banho, ser vestido com uma roupinha, ouvir barulhos, ainda que comuns para nós, ou estar diante de uma situação nova, como a chegada de um bebê humano.

Quando o estresse é prejudicial


Passar por momentos de estresse é normal.
Se não houver exagero, o estresse até ajuda a preparar o organismo para lidar com situações perigosas ou aversivas.
Nesses casos, a energia consumida supera a armazenada.
O coração fica acelerado, a freqüência respiratória aumenta, as pupilas dilatam e há a liberação de hormônios, como adrenalina e cortisol, na corrente sanguínea, promovendo alterações fisiológicas e comportamentais.
Nenhum organismo está preparado para viver em permanente estado de estresse.

Se isso acontecer, a tendência é o cão apresentar sintomas como parar de se alimentar, não querer brincar, ter comportamentos repetitivos, como lamber a pata até feri-la, e comportamentos compulsivos, como correr atrás da cauda e latir sem parar.

O teste do petiscos


Por meio de mudanças nas atitudes do cão, é possível detectar o que o deixa estressado.
Assim, pode-se evitar que ele sofra desnecessariamente.
É possível averiguar se o cão está com estresse em determinado momento oferecendo um petisco e observando como reage.
Por exemplo, se ele estiver tomando banho e aceitar a guloseima é porque não está estressado.
Se a recusar, é provável que esteja estressado.
Pode-se também medir a velocidade de recuperação do cão às situações estressantes.
Basta ver quando ele começa a aceitar comida de novo ou a brincar, sinal que o estresse foi superado.
Alguns cães demoram para se recuperar, outros se recuperam quase instantaneamente.

Exame de sangue


Em casos mais complicados, a presença de estresse pode ser verificada por meio de um exame que mede o grau de cortisol no sangue, o hormônio do estresse.
Quanto maior a sua concentração, mais estressado o cão está.

Tratamentos


Por meio de terapia comportamental, o cão pode aprender a tolerar com naturalidade situações muito estressantes para ele, como ficar em casa sozinho, ouvir barulhos de fogos, ir passear no parque com outras pessoas e animais, etc.
Cães mais sensíveis devem ter um tratamento mais cuidadoso do que os mais corajosos, diante das mesmas situações.
Há ocasiões em que o tratamento comportamental pode ser complementado por um tratamento medicamentoso, com ansiolíticos ou antidepressivos.
Ao se tratar a ansiedade e o medo do cão, problemas de alergia também diminuem, mostrando que estavam correlacionados com o estado emotivo.

Resumo


. Cães também podem ficar estressados em situações comuns ou do cotidiano.
. O estresse, quando sob controle, ajuda o organismo a lidar com situações aversivas.
. Os principais sintomas do estresse são: taquicardia, respiração ofegante, dilatação das pupilas, aumento de determinados hormônios (adrenalina e cortisol) na corrente sanguínea.
. O estresse crônico pode debilitar o organismo e facilitar a manifestação de alergias e doenças.
. Existem drogas psicoativas que podem ajudar no controle do estresse.
. Dessensibilização, como terapia comportamental, pode ser útil para evitar o estresse.



http://www.caocidadao.com.br/artigos_caes.php?id=95

Como convencer o cão a devolver a bola que você arremessou

 

 
Revista Cães & Cia, n. 302, julho de 2004
Você joga uma bolinha, o cão a pega e traz, mas se recusa a soltá-la?
Alexandre Rossi ensina como conseguir a devolução e, finalmente, curtir a brincadeira por completo!
 


Quem nunca jogou uma bolinha para o cão trazer de volta?
Essa talvez seja a mais famosa brincadeira dos donos com seus cães.
Mas ver a bola devolvida para que possa ser jogada de novo é uma cena mais imaginária que real.
O comum é o cão abocanhar a bola, se aproximar do dono e não soltá-la.
Ou soltá-la e agarrá-la antes que o dono a consiga recuperá-la.
Diante desse quadro, o dono muitas vezes adota a estratégia de agir disfarçadamente.
Finge desinteresse e, de repente, faz a tentativa de pegar a bola.
Em vão.
Centésimos de segundo antes, o cão escapa com ela na boca, dá um olé, e o dono fica com cara de bobo.
Quando finalmente a bola é alcançada, o cão não a solta de jeito nenhum e o dono desiste de brincar. Por que isso ocorre?
Será que os cães não conseguem entender a lógica da brincadeira?

O problema


Jogar bolinha é uma prática pela qual buscamos uma interação agradável com o cão.
Por isso, para nós pode ser decepcionante vê-lo apoderar-se da bola, não entregá-la e, ainda por cima, cada vez que tentamos tirá-la dele, ter de fazer "cabo de guerra".
Disputar a bola em vez de soltá-la é uma predisposição canina herdada.

É assim que o ancestral lobo age para repartir a caça em diversos pedaços.
E tem mais.
Desfilar com um objeto desejado por outro membro do grupo é uma demonstração de poder.
Por isso, continuar com a bola enquanto o dono se desdobra para resgatá-la é motivo de enorme prazer para o cão.

A solução


É perfeitamente possível convencer o cão a devolver a bola.
Para tanto, aja de acordo com o ponto de vista dele.
Arremesse a bolinha "com gosto", em velocidade, mas de maneira que o cão consiga persegui-la e capturá-la.
Observe se ele gosta mais de bolas rasteiras ou de pular e capturar a "presa" no ar, e passe a arremessar do jeito que ele prefere.
Quando o cão estiver com a bola na boca, chame-o pelo nome para vir até você.
Se ele não vier, emudeça e ignore-o.
Se vier, festeje-o e não demonstre muito interesse pela bola.
Repita a técnica de festejar o cão sempre que ele trouxer a bola atendendo a um chamado seu.
A etapa seguinte é pegar o cão de surpresa e tentar recuperar a bola antes de haver qualquer disputa. Para tanto, depois de ele chegar com a bola e de ter sido festejado, pare com a festa e ignore-o.
De repente, quando ele menos esperar, com um movimento rápido puxe a bolinha da boca dele.
Se o cão a soltar, pegue-a e dê parabéns, fazendo muita festa.
Se não a soltar, e você concluir que não será possível obter sucesso com esse método, tente uma nova estratégia: vencer o cão pela gula.

O truque


Obter a cooperação do cão fica mais fácil com a ajuda de petisco.
Mostre a guloseima quando ele estiver voltando com a bolinha.
Ele abrirá a boca e você fará a troca do petisco pela bola.
Encare a recompensa como um preço pago para conseguir que o cão brinque do jeito que você gosta!
Se, por ver a guloseima na sua mão, o cão deixar de buscar a bolinha, esconda-a no bolso.
Nesse caso, só a tire de lá quando ele voltar trazendo a bola.
Em pouco tempo, o cão aprenderá que, ao soltá-la, pode ganhar recompensa.
E, mesmo vendo o petisco antes de a bola ser arremessada, passará a buscá-la e a trazê-la.

Resumo


. A maioria dos cães não devolve prontamente a bolinha que foi buscar.
. Evite correr atrás do cão quando ele estiver com a bolinha na boca, para não reforçar o comportamento.
. Não tente arrancar a bolinha da boca do cão, pois ele vai gostar muito mais de brincar de cabo-de-guerra do que de devolvê-la.
. Recompense o cão com petiscos por ter devolvido a bolinha para você.
. Assim que o cão voltar e quando soltar a bolinha, elogie-o bastante.



http://www.caocidadao.com.br/artigos_caes.php?id=94

Como ensinar seu cão a expressar desejos

 
 
Revista Cães & Cia, n. 300, maio de 2004


Alexandre Rossi treinou a vira-lata Sofia a usar um painel eletrônico para expressar desejos.
Ela pode pedir água, comida, brinquedo, carinho, manifestar vontade de ir para a casinha ou fazer xixi.
Neste mês de maio, Rossi defende dissertação de mestrado sobre a comunicação do cão com o homem por meio de sinais arbitrários

 


Há milhares de anos, homem e cão vivem uma relação estreita.
Os cães mais eficientes nas atividades em parceria, como caça, companhia e guarda, eram os que se comunicavam melhor e foram os selecionados para procriar.
Isso pode ter aumentado a inteligência da espécie e desenvolvido a sua comunicação com os seres humanos.

Como o cão se comunica com o homem

São muitas as possibilidades de os cães se comunicarem com os humanos.
Desde por sinais típicos da espécie, como latir, chorar, rosnar, mostrar os dentes e abanar a cauda, até por sinais aprendidos durante a relação com o proprietário.
É o que podemos notar no seguinte depoimento, dado por um dono cão: “Se ele quiser ossinhos que ficam num armário da cozinha e eu estiver na sala, me cutuca com a pata e tenta me levar para a cozinha.
Quando chego lá, ele bate com a pata no armário para deixar claro o que quer.
Quando mostro que entendi, fica todo feliz e, em geral, senta para esperar que eu dê o que pediu”.
Para entender melhor como acontece a comunicação entre cão e pessoas da casa, colhemos mais de quatro mil relatos relacionados ao assunto.
Embora possam não exprimir exatamente a realidade, mostram pontos importantes sobre o comportamento canino e sobre como o ser humano o interpreta.

Como evolui a comunicação

A maioria dos proprietários acaba criando sem querer, um sistema de sinais que permite ao cão expressar desejos e pedir objetos e atividades.
Mas como isso ocorre?
Quando um proprietário vê o cão lambendo as últimas gotas de água do bebedouro, coloca mais água no pote.
Com o tempo, o cachorro percebe que pode pedir água simplesmente lambendo o porte.
Não é difícil imaginar que, por meio do mesmo processo, o cão aprenda a pedir comida, brinquedo, etc.

Dicas para ensinar o cão a pedir o que deseja

Ao compreender o processo que permite ao cão se comunicar, podemos criar situações propícias para que a comunicação se desenvolva.
Primeiro, procure evitar que os sinais produzidos pelo cão sejam muito parecidos, dificultando a interpretação.
Para saber se ele sta com sede ou fome ao encostar o focinho no pote vazio, use potes diferentes para dar água e comida.
Pelo mesmo motivo, deixe a guia para passear em local diferente do dos biscoitos, já que o cão se aproximará da guia para pedir passeio e dos petiscos quando estiver interessado neles.
Crie situações em que o cão possa “pedir” o que deseja.
Por exemplo, coloque menos comida no prato dele.
E quando ele estiver lambendo os farelinhos das sobras, ponha mais.
Aos poucos, o cão lamberá o prato para fazer um pedido.
Outro treino é perguntar ao cão que chega perto da guia se quer passear e, em seguida, levá-lo para dar uma volta.
Assim, ele perceberá que pode influenciar com atitudes o comportamento do dono

.Cuidado para não ser totalmente manipulado pelo cão

Ensinar um cão a se comunicar não significa se tornar escravo dele.
Ou seja, não é porque o cão pediu determinada coisa que você precisa servi-lo.
Com o tempo, ele percebe o que pode pedir e quando.
Minha cadela Sofia, por exemplo, sabe que existe chance de sairmos para passear quando estou me vestindo.
Sempre que começo a me calçar, Sofia corre para o painel eletrônico e aperta um dos oito compartimentos do painel (veja foto), aquele que corresponde a “PASSEAR” (nesse momento, uma gravação diz a palavra “Passear”).
Mas na maioria das vezes eu não posso levá-lo comigo e tenho de dizer “Passear, não!”.
Há ocasiões em que ela insiste, mas em geral desiste e vai deitar-se no sofá predileto.
A comunicação mais eficiente com nosso animal é muito gostosa.
Por isso, recomendo a todos os proprietários de cães que ponham em prática um programa nesse sentido.

Resumo

- O cão tem predisposição genética para se comunicar com o ser humano.
- Você pode criar sinais para permitir ao seu cão que peça objetos e atividades a você.
- Durante o treino, quando o cão se aproximar do prato de comida, coloque mais alguns grãos de ração.
Quando ele lamber as últimas gotas de água do pote, ponha mais água.
Quando ele manifestar interesse em pegar a coleira, leve-o para passear.
- Se você não quiser fazer a atividade relacionada ao sinal produzido pelo cão, diga simplesmente “não”.

Seleção genética e propagação de problemas físicos

 

 
Revista Cães & Cia, n. 301, junho de 2004
 
O comportamentalista Alexandre Rossi comenta os “efeitos colaterais” causados às raças caninas pela seleção genética e propõe que se trabalhe para não propagá-los


Nenhuma espécie animal tem tantas formas, tamanhos e comportamentos como os cães.
Seus portes variam desde os minúsculos Chihuahua, Pinscher, Poodle Toy e Yorkshire até os enormes Dogue Alemão, São Bernardo e Terra Nova.
O temperamento pode ir do muito dócil ao bastante agressivo.
Uns adoram nadar, outros preferem não se molhar.
E assim por diante.
Tanta diferença resulta em grande parte dos acasalamentos selecionados – aqueles feitos a partir de critérios humanos, bem diferentes dos que acontecem na Natureza.

Por esse motivo, a seleção usada para fazê-los é considerada artificial.

 
Seleção natural x artificial

Na natureza, comente os mais aptos se reproduzem e se multiplicam, sobrepujando, assim, os indivíduos que nascem com problemas.
Por esse motivo, a maioria dos animais selvagens são bastante saudáveis fisicamente e psicologicamente.
Já na seleção artificial, o critério é acasalar cães a partir de suas características morfológicas (das formas físicas), fisiológicas (das funções orgânicas) e/ou psíquicas (da atividade mental, inclusive das aptidões para aprender comportamentos e tarefas).
É o que aconteceu, por exemplo, na formação das raças pequenas.
A preferência foi por acasalar os cães de menor porte, independentemente da capacidade para sobreviver por conta própria, em ambiente competitivo.

Existem raças caninas criadas em laboratório?

Por causa da variedade de formas físicas e de comportamentos, houve o boato da existência de raças caninas criadas em laboratório.
Nenhum cão conhecido foi desenvolvido em tubo de ensaio.
Mas não é impossível que, com o avanço da engenharia genética, isso venha a ocorrer.

Formas físicas diferentes e sofrimento animal

Ao tomar para si a seleção de cruzamentos, o ser humano se torna responsável pelo vem-estar dos animais da sua criação.
No anseio de produzir cães diferentes, foram desenvolvidas características extremadas, que chegam a atrapalhar os cães.
Buldogues têm focinho tão achatado que ficam com a função respiratória comprometida.
Shar Peis, com tanta pele “sobrando”, desenvolvem micoses e infecções nas dobras.
Basset Hounds podem tropeçar em suas próprias orelhas.
Com coluna alongada, os Teckels freqüentemente desenvolvem males ósseos.
A hiperatividade do Border Collie o deixa compulsivo demais, entre outros exemplos.

Seleção artificial e doenças herdadas

Juntamente com os genes das características visíveis, são repassados genes “invisíveis” – aqueles que, apesar de presentes, não se manifestaram no indivíduo, mas que, provavelmente, afetarão descendentes.
Alguns acarretam propensão para males como displasia coxofemoral, surdez, miopia, diversas doenças de pele e problemas psicológicos.

Cães hiperativos, medrosos e compulsivos

A seleção de comportamentos visando a aptidão para determinadas tarefas que alguns cães já nasçam com predisposição para ser guardada, outros para pastorear ou caçar, etc.
O problema é que a maioria dessas raças é usada, hoje em dia, para companhia.
Assim, um cão com muita energia, necessária para longas jornadas de trabalho nos campos, ficará hiperativo e compulsivo se levar vida sedentária, e estará sujeito a problemas de comportamento.

Pensar no bem-estar

Precisamos evitar a seleção proposital de características que prejudiquem os cães.
Devemos, por exemplo, preferir a seleção de Buldogues que não tenham focinho tão achatado ou que não desenvolvam problemas respiratórios.
Convém optar por Shar Peis não tão enrugados ou que sejam mais resistentes a problemas de pele.
É recomendável preferir os Border Collies menos compulsivos e menos hiperativos.
Também não devemos reproduzir cães com problemas psicológicos ou que partem genes de doenças, mesmo que sejam campeões de beleza.



http://www.caocidadao.com.br/

Como diminuir os latidos insistentes do seu cão

vida-pratica-como-adestrar-seu-cao-getty-iStockphotos
(Foto: Getty images/iStockphotos)
 
 
Seu cachorro late a ponto de provocar reclamações dos vizinhos?
“Ele está tentando se expressar”, garante Alexandre Rossi, zootecnista e especialista em comportamento animal.
Se não for um problema de saúde, considere outras possibilidades levantadas por Rossi:

• Ele passa muito tempo sozinho
Nesse período, deixe-o livre para andar por toda a casa e espalhe brinquedos com petiscos dentro.

• Ele precisa gastar mais energia
Leve-o para passear pelo menos duas vezes por dia ou inscreva-o em um treinamento de agility.

• Ele se acostumou a latir para ganhar guloseimas
Desestimule esse comportamento.
Só o recompense quando agir de forma adequada.

 
Como adestrar o cão em casa
 
Se você permitiu que o filhotinho aprontasse tudo o que queria e agora não sabe como controlar os maus modos do cachorrão, fique tranquila.
Colocá-lo na linha exige apenas paciência.
O segredo é demonstrar que a chefe da matilha é você.
Ou seja, deixar claro que ele só ganhará agrado, comida e passeio se obedecer aos seus comandos.

Comece o treinamento com ordens simples, como estender a pata, sentar, deitar, parar e rolar.
Cada vez que ele der conta do recado, presenteie-o com um afago ou petisco.
Ele vai ligar as coisas num instante.
Depois, com o mesmo método de recompensa, treine-o para a execução de tarefas mais complexas, como sentar e ficar quieto quando chegar uma visita ou esperar calmamente na hora de colocar a coleira para o passeio.

Disciplina é imprescindível, e o cão, decididamente, precisa de limites.
Como os cães podem ajudar pessoas doentes
Como se já não bastassem o amor incondicional e a fidelidade para assegurar ao cachorro o título de melhor amigo do homem, aqui vai um reforço.

Com treino, cães de qualquer raça e idade, fêmeas ou machos, podem alertar os donos portadores de epilepsia da iminência de uma convulsão – permitindo assim que peçam ajuda ou se dirijam a um lugar seguro.
“Não se sabe exatamente de onde vem esse poder”, comenta o veterinário inglês Andrew Edney, que realizou ampla pesquisa sobre o assunto.

O que está comprovado é que é possível prepará-los para dar o aviso com antecipação de 20 a 45 minutos.
A descoberta levou a ONG inglesa Support Dogs a treinar animais para essa função e repassá-los aos interessados no Reino Unido.
Até hoje, nenhum desses cães falhou na missão”, revela Edney.

http://claudia.abril.com.br/materia/como-adestrar-seu-cachorro/?p=/estilo-de-vida/bichos

Na piscina, sem traumas


 

 
 
Revista Cães & Cia, n. 299, abril 2004

Veja as dicas de Alexandre Rossi para se ter cães bem adaptados à natação, exercício dos mais recomendados

 


Muitos cães se divertem buscando objetos atirados na água.
Nadar é uma ótima atividade.
Fortalece a musculatura com a vantagem de não submeter as articulações a impactos com o solo, típicos de esportes como corrida e salto.
Por isso, a natação é recomendada por veterinários para cães com má-formação nas articulações (a mais conhecida é a displasia coxo-femoral).

Disposição para nadar

Praticamente todo cão pode gostar de se exercitar na piscina.
A espécie canina aceita com facilidade as atividades aquáticas.
Tanto que nadar faz parte das funções principais de várias raças, como acontece com o Golden Retriever, o Labrador e o Cocker.
Mas qualquer cão só vai gostar de natação se a prática for associada a algo prazeroso, desde o início - jamais a traumas.

Jogar o cão na piscina pode causar trauma e afogamento

Ser jogado numa piscina é a primeira experiência aquática pela qual passam muitos cães.
Esse método raramente dá certo.
Ao sentir-se repentinamente sem apoio sob os pés e com água dificultando a respiração, o cão, em geral, se desespera.
Debate-se, tentando ficar à tona e sobreviver.
O cansaço vem depressa e, com ele, o risco de afogamento.
Resultado: o cão fica traumatizado.
Nunca mais vai querer entrar numa piscina.
E passará a resistir a qualquer nova tentativa de ser posto na água.

Associe algo agradável a estar na água

Pode-se começar a treinar o cão para a natação a partir de filhote, depois de ele estar completamente vacinado.
É preciso que o cão manifeste vontade de entrar na água.
Um bom estímulo é fazê-lo buscar um brinquedo ou petisco.
Outra motivação é ele ver um cão conhecido nadando ou o dono chamá-lo de dentro da água.

À s vezes, quando está na água, o cão em vez de nadar em direção do objetivo, começa a bater as patas sem deslocar o corpo para frente – ele parece tentar sair da água, batendo as patas para cima. Nesse caso, é preciso mostrar a posição certa, antes que ele fique exausto e traumatizado.

Segure-o firmemente, próximo à superfície, com o corpo para frente (veja foto) na posição horizontal e solte-o em direção à margem ou em direção ao objetivo que ele quer alcançar.
Procure ir dando petiscos ao cão durante todo o processo.

Se houver dificuldades para treinar o cão na piscina, o treino inaugural pode ser feito num lago ou praia.
A maioria dos cães entra com naturalidade na água rasa e vai em frente quando há algo interessante a alcançar.
Nesse caso, a técnica é oferecer petiscos cada vez um pouco mais no fundo, para o cão não acabar desistindo.

É importante facilitar o sucesso da experiência inicial e reforçar o aspecto agradável.
Afinal, você quer o cão motivado, sem frustrações nem medos.
Por isso, depois de ele ter obtido êxito na primeira tarefa aquática, faça-o nadar mais um pouco, recompensando-o de vez em quando com um petisco.

Fique pronto para acudi-lo imediatamente, caso seja necessário.
Terminada a natação, seque bem as orelhas do cão: a umidade pode causar otite (se ele entrou no mar, lave-o antes com água doce, para evitar irritações e alergias).

O cão pode se afogar numa piscina se não conseguir sair dela
As piscinas, em geral, não oferecem recursos para os cães saírem delas por conta própria.


Nesse caso, o cão só deve entrar na água se houver alguém para supervisioná-lo.
Poucos cães aprendem a sair pela escadinha tradicional.
O melhor é que haja uma rampa submersa ou uma escada com degraus largos, que permitam o apoio adequado das patas.
É preciso também familiarizar o cão com o uso do recurso disponível.

Interromper latidos incômodos
Alguns cães ficam extremamente excitados quando vêm alguém na piscina.

Latem e correm sem parar, de um lado para outro.
O controle desse comportamento é feito inicialmente com o cão na guia.
A eficácia da repressão é bem maior quando o cão está parado.
Mantenha-o próximo a você.
No momento exato em que ele começar a latir, dê bronca até os latidos serem interrompidos.

Resumo
1. A natação é um ótimo exercício e uma diversão para os cães.
2. Algumas raças têm a predisposição para gostar de água aprimorada pela seleção genética.
3. Não jogue o cão na água, pois isso poderá traumatizá-lo.
4. Associe entrar na água com brinquedos e petiscos, para o cão se distrair e aprender a gostar de nadar.
5. Ensine o cão a sair da piscina para ele não correr perigo de morrer afogado.
6. Para o cão parar de latir quando houver alguém na piscina, dê bronca no exato momento em que ele emitir o primeiro latido. Inicialmente, mantenha o cão na guia.


http://www.caocidadao.com.br

Ensine seu gato a passear na rua de coleira

 

 
Revista Cães & Cia, n. 344, janeiro de 2008
 
Por mais estranho que pareça, é possível levar o gato para dar uma volta e ele tirar um bom proveito do passeio
Passear com o gato é bem diferente do que passear com o cão.
Exige, portanto, procedimentos específicos.
E o resultado pode ser um programa prazeroso e seguro para o felino.

Vantagens para o gato

Gatos são curiosos e precisam ser estimulados.
A situação torna-se crítica quando ficam restritos a um espaço pequeno, quase sem atividade.
Um experimento inglês constatou que gatos em liberdade chegam a andar mais de dois quilômetros por noite e caçam dezenas de pequenos animais, como insetos, répteis e ratos.
Os passeios podem devolver aos gatos um pouco de liberdade, sem haver risco de serem atropelados, envenenados ou machucados por cães de vizinhos.

Nem todo gato curte

Exemplares mais tímidos e medrosos poderão nunca curtir um passeio, apavorados com o ambiente aberto e com o qual não têm ainda intimidade.
É importante você conhecer bem o seu gato. Ao tentar passear com ele, fique atento.
Observe se os sinais que ele dá são de bem-estar ou de estresse.

Passeio apreciado

Gatos são obcecados por controle do território.
Só costumam relaxar depois de conhecer detalhadamente o ambiente onde estão.
Gostam também de ter um lugar no qual confiam, para se esconderem caso apareça algo que, na concepção deles, seja muito perigoso.
Por esses motivos, sugiro levar o gato sempre aos mesmos lugares.
Deixe a caixinha de transporte por perto.
Assim, ele poderá voltar ao “esconderijo” sempre que desejar.

Experiência com minhas gatas

Apesar de o passeio com gato ser bem limitado, é muito gratificante vê-lo explorando o ambiente e interagindo.
Eu tinha duas Siamesas que adoravam passear em um praça.
Sempre as levava para o mesmo canto, ajeitava a caixinha de transporte e as deixava à vontade, presas com guia.
Elas subiam num arbustinho, caçavam insetos e brincavam.
Iam correndo para a caixa de transporte, como se fosse um treino para emergência!
Quando passava um cão, a mais nova ficava mais acuada ou ia para a caixinha, enquanto a mais velha fazia questão de interagir com ele.
Claro que eu só deixava esse contato acontecer quando tinha certeza que a aproximação era amistosa.

Pré-requisitos

Antes de levar o gato para passear, acostume-o a usar peitoral e guia dentro de casa ou num ambiente ao qual esteja acostumado.
Procure deixá-lo com o peitoral enquanto come ou brinca.
Aumente aos poucos o tempo de uso do acessório e procure manter o felino sempre sob supervisão, nessas ocasiões.
Deixe o peitoral justo, de modo que o gato não consiga tirá-lo - uma escapada pode colocar em risco a vida dele.
Peitorais com uma coleira em torno do pescoço aumentam muito a segurança.
O gato deverá também estar curtindo a caixinha de transporte, que será o porto seguro dele.
Para estimulá-lo a entrar nela, coloque dentro petiscos gostosos.
Deixe-a em lugares nos quais ele goste de ficar.

Primeiros passeios

Ao marinheiro de primeira viagem, sugiro levar o gato para um ambiente fechado e totalmente seguro.
Por exemplo, ao apartamento de um amigo sem outros animais de estimação.
Mesmo que seja possível deixar o gato sem peitoral e guia, não o faça.
Aproveite essa segurança extra para verificar se está tudo em ordem.
Leve sempre o gato na caixinha de transporte.
Nela, ele se sentirá mais seguro e diminuirão as chances de escapar e machucar quem tentar contê-lo. Ponha a caixinha num canto e abra a portinha.
Não force o gato a sair.
Se desejar, estimule-o com um petisco, brinquedo ou fale carinhosamente com ele.
E respeite-o se ele não quiser sair.

Novos lugares

Sempre que levar o gato a um novo ambiente, aja como se fosse o primeiro passeio.
Enquanto ele preferir ficar dentro da caixinha, estará se acostumando com os cheiros, barulhos e a movimentação do lugar.

Avaliando estresse e prazer

Procure avaliar o comportamento do seu gato durante o passeio.
Normalmente, quando ele estiver estressado não se interessará por alimento, água, carinho ou brincadeiras.
Também evitará fazer as necessidades.
Se ele estiver interessado em petiscos, brincando, gostando de receber carinho, etc., é quase uma garantia de não estar estressado - provavelmente o passeio está fazendo bem para ele.
Já o oposto não é verdadeiro.
Diante da variedade de estímulos oferecidos por um ambiente diferente, o gato pode preferir explorar as novidades a brincar, comer ou receber carinho.
Na dúvida, consulte um especialista em comportamento anima para ajudar na avaliação.

http://www.caocidadao.com.br

Quer passear com seu cão?


 
 
Este site tem umas dicas de lugares onde você e seu amado cão ou cã podem curtir juntinhos.

http://www.curtindosaopaulojuntos.com.br/

Os cães de Norah Jones

Fotos que pertencem ao novo álbum da incrível "jazzista-suave" Norah Jones, o The Fall.

Na capa, ela contracena com um São Bernardo lindo e no encarte ela está ''acãopanhada'' por alguns vira-latas, um Border Collie e um Golden Retrivier...

O conjunto todo, uma graça.






Jornal & PET

Sabe aquela pilha de jornais que você tem em casa e não sabe o que fazer com ela?

Troque seus saquinhos biodegradáveis por eles, é muito mais sustentável.










Se tiver uma garrafa PET pode fazer um suporte para guardar seus saquinhos.